Helena de Troia

Com reputação de A mulher mais bela do mundo, segundo a mitologia, esta seria a peça chave para o desencadeio da tão afamada guerra de Troia.

Imagem relacionada
Fonte: Produto mercado livre

Consta-se que esta seria filha de Zeus e de uma mortal, Leda, que seria casada com o rei de Esparta, Tíndaro.

A história conta que ainda pequena fora raptada por Teseu, em que posterior foi libertada e levada de volta à Esparta, para junto de sua família. Sua significante beleza era-lhe um charme e atrativo especial, como já colocado, sendo intitulada como a mulher mais bela do mundo. Esse atributo conferia-lhe um número grande de pretendentes, o qual Tíndaro temia conceder-lhe a mão para possibilidade de fúria de algum…

É aí, então, que um de seus pretendentes, Odisseu, sugestiona que todos os pretendentes jurassem protege-la, e a permitissem o poder de escolha do marido, protegendo-o também. Helena optou por casar com Menelau, que tornou-se, depois, rei de Esparta.

Seu vínculo com a guerra de Troia viria quando Páris, em viagem para Esparta, conhece a jovem e bela esposa do rei Menelau. Quando este viaja, abre-se então a aproveitada oportunidade de raptá-la e ambos irem para Troia. A mitologia conta que a guerra teria sido motivada pelo desejo do traído marido de Helena, que decide-se então vingar-se, dando início à guerra (o que também teria uma motivação política). A guerra durou 10 anos.

Beijos, Vanessa.

Helena de Troia

Uma dose de história: A muralha da china

A Muralha da China, ou também conhecida por A grande muralha, é uma construção formada ao longo de anos e anos (dois milênios), sendo construída e fortificada por diversas dinastias, localizada (claro) na China.

Resultado de imagem para Muralha da china
Fonte: História e geografia

Qual a finalidade? Em 220 a.C, quando ela começou a ser construída, na dinastia do imperador chinês Qin Shihuang, havia uma grande incidência de invasão de povos inimigos, vindos do norte, e o intuito então foi de proteção militar contra povos nômades.

Para a construção, evidentemente, foi necessário muita mão-de-obra, sendo esta escrava. Relata-se que estes eram forçados ao trabalho até a exaustão. Ela não é uniforme, sendo constituída de torres para vigilância e portas, evidentemente, por ocasião de seu fim militar e de proteção.

A muralha possui aproximadamente 2 300 km de extensão, uma altura média de 7,5 metros e cerca de 3,75 metros de largura; tais características fazem com que essa seja uma das maiores obras feitas pela humanidade. A Muralha da China, que no passado tinha finalidade militar, hoje é um símbolo chinês e um dos mais famosos pontos turísticos do mundo.

Fonte: Mundo Educação

Beijos, Vanessa.

Uma dose de história: A muralha da china

Cleópatra

A mais famosa rainha do Egito, Cleópatra, tem o nome conhecido e marcado na história mundial. Circundado por vários mitos e lendas, é perdurada sua fama. Mas, quem afinal, foi essa mulher?

cleópatra
Fonte: só história

 

Uma das faces, por assim dizer, de Cleópatra, é conhecida pelo mundo. A voluptuosa mulher, vaidosa, voltada aos luxos e prazeres da vida. Mas há ainda, a face de governante…

(…) Nunca foi a detentora única do poder em sua terra natal – de fato co-governou sempre com um homem ao seu lado: o seu pai, o seu irmão (com quem casaria mais tarde) e, depois, com o seu filho. Contudo, em todos estes casos, os seus companheiros eram apenas reis titularmente, mantendo ela a autoridade de fato.

Cleópatra nasceu em 69 a.C., na cidade de Alexandria, fundada por Alexandre, o Grande no delta do Nilo e que nos séculos anteriores ao nascimento de Cristo desempenhou o papel de metrópole cultural, artística e econômica do Mediterrâneo Oriental. Embora fosse egípcia por nascimento, pertencia a uma dinastia macedônica que se estabelecera no Egito em 305 a.C., quando o general macedônio Ptolomeu tomou o título de rei. Era filha do rei Ptolomeu XII Auleta e da rainha Cleópatra V. Apesar da origem estrangeira da dinastia à qual pertencia, Cleópatra foi a única da sua dinastia a dominar a língua egípcia.
Cleópatra foi a última Rainha da Dinastia ptolomaica que dominou o Egito após a Grécia ter invadido aquele país. Subiu ao trono egípcio aos 17 anos de idade, após a morte do pai.

Fonte: Só história

Uma sagaz e inteligente governante, sua determinação combinada às anteriores características citadas foram os marcos para perpetuarem seu nome na história não só egípcia, mas mundial.

Não só buscando alcançar o poder e as consequências destes, quanto à riqueza e suas vaidades, mas também atingir a soberania quanto dar fim às dominações estrangeiras e proteger o povo o qual tanto sentia-se parte. Tinha domínio de diversas línguas e atributos característicos que possibilitaram seu renome e triunfo como governante, diante de, como exposto, ter sigo quem efetivamente reinava no período.

A história, sintetizando, marca sua trajetória pelas grandes alianças formada e por sua audácia, seu forte poder de sedução e sua “ganancia” pelo poder. Em atitudes extremamente exuberantes e inteligentes, a rainha marcou sua trajetória política pela conquista de fortes aliados, como, por exemplo, com o líder militar e político Julio César.

Mas, por fim, como esta teria morrido e dado fim ao seu triunfante governo? Bem, apontam os estudos que após triunfo de Otaviano, ou seja, do império Romano, ela teria sido encarcerada em um dos quartos, em tentativa de mantê-la viva em intenção vexaminosa e explicitar sua derrota. Ela, porém, em clara não aceitação da situação, teria colocado a mão em um jarro onde continha uma cobra, morrendo assim pela picada. Esta foi encontrada morta, em trajes reais, terminando assim uma jornada marcante, de um jeito também marcante.

Beijos, Vanessa.

Cleópatra

Uma dose de história: Estátua da Liberdade, Nova York.

Um marco turístico da cidade de Nova york, Estados Unidos, a Estátua da Liberdade é conhecida no mundo todo. Importante símbolo da liberdade política e da democracia, é considerada uma das 7 novas maravilhas do mundo, sendo “palco” de visitação de milhares de turistas anualmente, para deslumbrar-se. Mas, você, que provavelmente  já deve ter, minimamente, o conhecimento sobre, pelo menos, a existência desta, já viu a história por trás desse simbolo histórico?! Pois se não, vamos falar sinteticamente disso!

Resultado de imagem para estátua da liberdade
Fonte: Guia Turístico

A estátua da liberdade, como exposto, importante marco quanto a democracia e a liberdade política, foi um presentinho Francês para os Estados Unidos, pela comemoração dos 100 anos da independência norte-americana (1876).

Espantoso, não? A primeira vez que ouvi falar sobre essa história, fiz a pergunta que vocês, devem estar se fazendo: Como é que foi enviado isso ao Estados Unidos? Pois meus caros, conta-se que construída, quando finalizada (1884), foi desmontada em várias e várias peças e enviada por navio para lá, assim, tendo a França efetivamente presenteado… Claro, a demorava foi grande para “remontar” a estátua novamente, já em solo norte-americano, que teria se findado em 1886, tendo sua inauguração oficial no dia 28 de outubro do dito ano (1886).

Hoje, localizada no porto de Nova York, é vista como um cartão postal e monumento histórico, de deslumbre mundial!

Beijos, Vanessa!

 

Uma dose de história: Estátua da Liberdade, Nova York.

Lidos 2016

Fala Leitores, tudo bem com vocês?

Estamos quase no fim de 2016. E, como dito no começo do ano, eu tinha a meta de ler, pelo menos, 25 livros além daqueles os quais é exigido pela faculdade.

E adivinhem? A meta foi cumprida!!!

Deixo abaixo a lista dos livros lidos neste ano:

  1. Não se apega não – Isabela Freitas
  2. Orgulho e preconceito – Jane Austen
  3. Feliz ano velho – Marcelo Rubens Paiva
  4. A história secreta – Dona Tartt
  5. O garoto no convés – John Boyne
  6. O caso dos denunciantes invejosos – Dimitri Dimoulis
  7. O amor está no quarto ao lado – Li Mendi
  8. Paixão avassaladora – Jull Evans
  9. O velho mundo – Kátia Regina Souza
  10. O sedutor – Clécya Vidal
  11. Procura-se um Marido – Carina Rissi (Clique aqui para conferir a resenha)
  12. Filosofia para corajosos – Luiz Felipe Pondé
  13. A menina que não sabia ler – John Harding (Clique aqui para conferir a resenha)
  14. Drácula apaixonado – Karen Essex
  15. Como eu era antes de você – Jojo Moyes (Clique aqui para conferir a resenha)
  16. Cidade dos anjos caídos – Cassandra Clare (Clique aqui para conferir a resenha)
  17. Garoto encontra garoto – David Levithan (Clique aqui para conferir a resenha )
  18. A lenda de Materyalis – Saymon Cesar /9Clique aqui para conferir a resenha)
  19. Quase tudo bem – Adriana Rocha (Clique aqui para conferir a resenha)
  20. Horas decisivas – Michael J. Tougias e Casey Sherman
  21. Érica – Larissa Medeiros Barros  leal (Clique aqui para conferir a resenha)
  22. A chama da esperança – A princesa renegada – M.V.Garcia
  23. A fila – Ana Esterque
  24. Depois de você – Jojo Moyes
  25. Espelho das cores – Pedro Ivo ( Clique aqui para conferir a resenha)
  26. Eu me possuo – Stella Florence( Clique aqui para conferir a resenha )

Beijos, Vanessa.

Lidos 2016

Uma dose de História – Sumérios

Fala Galera, tudo bem com vocês?

Pois é, meus caros e amados leitores, lá vem novidade aqui no blog. Resolvemos criar uma espécie de projeto, não sei bem se caracteriza-se assim, mas haverão posts especiais com temas históricos aqui para vocês.

Bem, por que isso? É que eu sempre gostei muito de história. Aliás era uma das minhas disciplinas preferidas. E eu estava morrendo de saudade de rever e falar sobre alguns fatos e personagens históricos. Por isso o projeto, sendo uma forma de tanto me colocar para pesquisar quanto trazer um pouquinho do que eu descubro aqui para vocês. Espero que embarquem nessa viagem histórica comigo (e gostem tanto quanto eu sei que vou curtir).

Não sei se já mencionei aqui, mas no último semestre comecei a dar aulas de reforço, e um dos conteúdos que vimos foram sobre o sumérios (foram umas boas páginas de apostila lidas sobre isso…). E nada como começar os posts falando sobre isso, não?

Esses povos viveram na mesopotâmia, na área conhecida como crescente fértil (localizada entre os rios Tigre e Eufrates e que recebera tal nome por a forma da união das diferentes zonas formarem um arco parecido com a lua crescente). São colocados como os primeiros povos a viver nessa região.

Fonte: http://www.historiadomundo.com.br

Politicamente, viviam em Cidades-Estados, que são caracterizadas pela independência politico-administrativa. Ou seja, havia um chefe, que na época era um sacerdote posto como líder chamado de Patesi, que comandava e tomava as decisões. A ressalva vem para que essa independência, como já citado, era apenas no aspecto político-administrativo, já que elas compartilhavam aspectos como cultura, língua, costumes e similares.

Ao tocar no aspecto cultural, vem-se pois a ressalva religiosa de que como muitos povos da antiguidades, estes eram politeístas, ou seja, cultuavam vários deuses (que tinham associações à natureza). E também tinham como prática os sacrifícios religiosos.

Eles são vistos como um povo bem desenvolvido para a época em que viviam, principalmente no aspecto relativo às ciências e às construções (engenharias e arquiteturas). Eles foram, por exemplo, os povos criadores da escrita cuneiforme, que foi um método de linguagem próprio criados por eles, que conseguiam expressar até ideias completas; um eficiente sistema para armazenamento de água e grandiosas construções usadas para templos ou armazenamento de alimentos.

Fonte: blog.construbasico.com.br

Tem-se pois datado que por volta de 1950 a.C teriam pois sido invadidos por outros povos, tendo pois sido rendidos e derrotados.

Vou deixar para vocês esse curto resuminho sobre os Sumérios. Se tiverem sugestões de resumos históricos, é só deixar nos comentários, e se quiserem acrescentar mais algumas colocações sobre esses povos, fiquem a vontade. Tentei sintetizar ao máximo. Até a próxima.

Beijos, Vanessa!

Uma dose de História – Sumérios