Resenha: O olho e a Sombra (Morgan Dull Blade) – Beatriz Pacca

Ficha Técnica:

Título: Morgan Dull Blade – O olho e a Sombra
Autoria: Beatriz Pacca
Ano: 2016
Número de páginas: 328
ISBN: 978-989-51-7234-4
Genero: Ficção
Editora: Chiado

Sinopse:
“O mundo está repleto de malfeitores, ladrões e assassinos. E é por isso que a Inglaterra tem uma justiceira. Responsável por colocar vários criminosos na cadeia, procurada pela morte de muitas pessoas más. Essa é Morgan Dull Blade, baixa, ranzinza e Capitã de um exército, cujo dever é limpar as ruas da Inglaterra, acompanhada, na maior parte do tempo, por Alphonse Oak, Tenente e filho de um famoso empresário assassinado anos atrás.
No momento, Morgan está em guerra com a Kage no Ichizoku, um clã japonês, liderado por alguém bem conhecido de Morgan. Ao longo do tempo, Morgan descobre que outros países também têm seus justiceiros, e é ao lado deles que irá travar uma batalha quase definitiva, que mudará muito sua vida. Reencontrará muitas pessoas de seu passado, sem saber se pode ou não confiar nelas, enquanto seus amigos tentam descobrir o que tem por debaixo daquele tapa-olho.”

Classificação: 5/5

Eu tinha um apreço imenso pela obra antes mesmo de a ter lido. Ao ter contato com a autora, um tempo atrás, conheci uma pessoa cheia de luz, sonhos e inspiradora. Sabe aquela pessoa extremamente cativante, o qual se consegue ver a simpatia nela? Pois é, ela é essa pessoa. E nada me cativou ainda mais quando de surpresa, recebi a obra aqui em casa. É emocionante receber o carinho de autores assim, e sim, fiquei extremamente emocionada e lisonjeada. E além, grata pela surpresa, pelo presente e por ter tido contato com alguém tão iluminado.

Cá estou eu em amores por mais uma obra do gênero que tanto aprecio e leio: ficção. Somos apresentados a justiceiros, liderados pela baixinha e bem ranzinza Morgan Dull Blade, que trava uma luta imensa contra Kage no Ichizoku, um clã japonês que tem como líder uma pessoa que olha, meus caros, é surpreendente a todos. Ela conta com o apoio de muitos justiceiros, mas em especial seu tenente, Alphonse Oak, a quem ela tem um carinho especial. Cheio de aventura, surpresas e até climas de romance, a gente se joga na leitura e não consegue sair sem um apego a obra.

Eu aponto, inicialmente, como um diferencial o qual eu gostei demais, que é o fato de os capítulos não serem tão longos e a narrativa ser bem objetiva. Estamos acostumados (generalizo um costume meu) a tramas de capítulos bem longos. E a autora surpreende com capítulos mais cursos, consequentemente mais números, mas que de forma muito bem feita, consegue objetivar a narração e tornar mais curta, adequada aos capítulos, sem perder a linha de raciocínio ou a beleza da escrita.

Aliás, citado a escrita, costumo ressaltar o quão significativo é o escrever simples, mas feito com empenho e capricho. Não há um rebuscamento, linguajar extremamente culto. É acessível, simples e sem perder o charme. Acredito sempre que os livros ficcionais com essa característica traz uma proximidade maior para com o leitor.

Eu fiquei apaixonada pela Morgan e pelo Alphonse. Não há como não se encantar com os personagens, em suas particularidades e neles, juntos. Aquele tal “Eu shippo” para os dois. Ela, sempre fria, imponente, mostrando-se forte apesar de suas tantas fraquezas e ele, aquele típico cara que vê além da frieza dela, que não se importa com suas reações agressivas ou frias porque consegue atingir o lado sentimental, enxergá-lo.

A construção do enredo vem cheio de surpresas e criatividade. Ela consegue trazer elementos à trama que dão um encanto todo especial. Esse ponto fica até difícil de ser explicado sem deixar alguns spoilers, mas quem leu ou tiver a oportunidade de ler, entenderá do que estou falando. Ela constrói fatos os quais ficamos boquiabertos e extremamente ansiosos para saber como tudo desenrolará (sem contar uma galera do passado que começa a surgir).

E o mais legal nisso tudo, é que conseguimos sentir o mesmo que os personagens, em especial, que Morgan. Juro que eu ficava aflita quando surgia qualquer pessoa na trama, em especial os que voltavam do passado dela, porque eu ficava naquela de “será que é mais um traidor? Será que está falando a verdade? Será que não a está enganando?”. É de ficar mais desconfiada que a própria protagonista.

Bem, meus caros, o único ponto negativo que encontrei foram alguns erros de digitação (e é visível não serem falhas ortográficas, antecipo, é literalmente de digitação). Mas nada que atrapalhe a leitura ou tragam modificações bruscas no entendimento…

Se tiver a oportunidade: leia. É magnífico da autora à obra…

Caso você queira adquirir:

Livraria Curitiba: clique aqui

Editora Chiado: Clique aqui

Beijos, Vanessa.

Anúncios
Resenha: O olho e a Sombra (Morgan Dull Blade) – Beatriz Pacca

Diário de faculdade: Cansaço e desmotivação!

Fala Galera, tudo bem com vocês?

Bom, meus caros, sabemos que estudar nem sempre é um mar de rosas. Em meio aos turbilhões de complicações que surgem, vim falar especificamente de quando perdemos aquele “gás” dos estudos, quando o ânimo morre, a motivação não mais existe e o único desejo que resta é de abandonar tudo. Sim, todos nós passamos por isso.

Ano passado, perto do fim do segundo semestre, eu tive um verdadeiro desmoronamento psicológico. Simplesmente queria jogar tudo para o ar, largar a faculdade, desistir das mil e uma coisas que faço e dormir por dias seguidos, sem interrupção. Melhorei consideravelmente desse surto, porém percebi que iniciei o ano extremamente cansada, ainda, e um tanto desanimada (possivelmente resquícios do cansaço do ano passado). Eu venho em uma rotina de estresse intenso, procrastinação em quaisquer atividades e tenho ficado muito improdutiva e sem saber aproveitar meu tempo.

Sim, eu poderia jogar tudo para o ar nessa maré ruim, assim como sei que muitos tem passado pelo mesmo, e muitos outros já deve ter abandonado as coisas. Mas eu tenho optado por buscar me reanimar e não desistir…

Se você tem estado assim como eu, vou deixar algumas dicas do que tenho feito para tentar tirar todo esse desanimo da minha vida.

1. Foque no seu objetivo

Nada é atoa. Sempre há um porquê. E esse é o ponto chave onde você deve mirar. Tenha sempre em mente tudo aquilo que você objetiva e principalmente que esse é o caminho para atingir seus desejos.

2. Organize-se

Eu, quando começo desanimar, viro uma perfeita bagunça. “Empurro tudo com a barriga”, enrolo em tudo e acabo não fazendo nada. Faça listas diárias de atividades. Eu, particularmente, escrevo duas listas: uma de atividades obrigatórias de serem concluídas naquele dia e outra de atividades secundárias, que se não feitas, podem ser colocadas para conclusão em outro dia. A dica é se organizar e se impor a cumprir aquilo que programou.

3. Não exija demais de si.

Gente, um dos maiores problemas que me cansaram demais foi querer fazer mil coisas de uma vez só. Eu queria fazer muita coisa e acabava não fazendo nada e ainda mais: estressada. Não se imponha demais e nem queira fazer muitas coisas. Abandone algumas atividades que forem necessárias e possíveis.

4. Descanse

Você não é uma máquina. Separe tempo para o lazer ou simplesmente para dormir, ou ficar vendo um filme. Dê descanso a si, por favor! Você não é de ferro!

5. Você é capaz

Por fim, jamais desacredite de si e dos seus sonhos. Vá em frente, do jeito que der. E confie em si, que o mundo todo será seu!

Beijos, Vanessa.

Diário de faculdade: Cansaço e desmotivação!

Primeiras impressões: Encontros e Desencantos – Nathália Batista da Silva

Ficha técnica:

Título: Encontros e desencantos

Autor: Nathália Batista da Silva

ISBN: 978-989-51-6341-0

Ano: 2015

Número de páginas: 256

Editora: Chiado

Sinopse:

A Inglaterra, do início do século XIX, é palco de um romance repleto de paixão, dor, encontros, encantos, desencontros e desencantos. O romance é composto por pessoas e com elas, tudo o que há de pior e de melhor no ser humano. São sentimentos explorados em uma cadência lenta nas fases mais difíceis da vida de uma mulher. Suzanne é uma doce e ingênua moça de dezessete anos, cercada e castigada pela maldosa Veronika, de quem era dama de companhia. A vida tem seu próprio jeito de ensinar aos ingênuos e proporciona um longo e árduo caminho a menina em meio a uma sociedade onde respeito e posição não raramente eram construídos com crueldade, inveja, mentiras, intrigas e vingança.

Bom, meus caros leitores, gentilmente a autora Nathália Batista nos cedeu os três primeiros capítulos de sua obra, Encontros e Desencantos, para que viéssemos dar nosso parecer sobre esse breve contato.

Sabemos da velha questão de que “Quem vê capa, não vê conteúdo” mas não posso deixar de ressalvar que fiquei encantadíssima quando vi como era a capa. Recebi, recentemente, os marcadores e tive um amor a primeira vista. Gente, uma graciosidade a parte, não?!

Adentrando ao conteúdo, nós conhecemos a história da jovem órfã Suzanne, que é dama de companhia da invejosa e cruel Veronika. Deixada aos cuidados da baronesa Sra. Hampton, em pedido de sua mãe em leito de morte, ela recebe uma educação e cuidados diferentes de outros criados, tornando-se uma dama de jeitos e beleza admiráveis. Obviamente, gerando a inveja e ira da herdeira dos Hampton, que de grandes destaque tem apenas a fortuna.

Claramente, que um grande amor  vai lhe surgir. Não podendo eu alegar,  diante que as páginas iniciais vinham até o momento em que ambos se conheceram, posso apostar aqui que vai ser um romance e tanto, cheio de dificuldades e lições.

Com características de romances de época, a autora escreve de uma forma o qual lemos levemente, se encantando pela protagonista e criando um mundo encantado para esta. Juro a vocês que leio imaginando como um conto de fadas, diante que a autora consegue transpassar, perfeitamente, esse clima romântico e “fofo” de obras com tais características.

Tenho que dizer que fiquei curiosa para saber o desfecho dessa história e o que poderá acontecer cm a protagonista da trama, a Suzanne. É apaixonada por romances, assim como eu? Acho que é uma boa dica, ein! Só nos três primeiros capítulos, já fiquei encantada com os personagens.

Caso queira adquirir a obra, segue abaixo os links para a compra:

Livraria Travessa: clique aqui

Livraria Cultura: clique aqui

Livraria Easybooks: clique aqui

Livraria Chiado: clique aqui

Beijos, Vanessa.

Primeiras impressões: Encontros e Desencantos – Nathália Batista da Silva

1 ano e 4 meses de transição

Fala galera, tudo bem com vocês?

Há uns meses atrás, eu fiz o relato de 7 meses de transição ( Clique aqui ).  E como eu vi que o post começou a ser acessado com uma certa regularidade, resolvi contar um pouco como as coisas tem estado, em um tempo significativo passado.

Chega a ser cômico o quanto o processo é transformador e o quanto você vai aprendendo com o decorrer do tempo. Lições vem de sofrimentos. E sim, é um período complicado. Gente, eu quis chorar antes pelas diferenças de texturas e quando fui conseguindo a lidar, quis chorar pelo volume e o último quase choro foi pela dificuldade. 1 ano e 4 meses sobrevivendo de tentativas e erros, além de texturizações, acaba trazendo um desgasto.

Mas, se você ainda está começando, não me canso de falar o quão gratificante é ver seus cachos voltando. Eu não me incomodava com os cabelos lisos e não me incomodaria em mantê-los. Mas as motivações que me trouxeram a tal foram grandes suficientes de soar como uma libertação e hoje vejo que foi uma ótima escolha.

Agora, falta pouco. Com boa parte do cabelo já cacheado, fica muito mais fácil. Eu optei por não cortar a parte lisa e ir deixando crescer assim. Acho que quem corta, passa por algumas questões diferentes, mas no fim, chegamos ao mesmo resultado. E felizes. Eu, hoje, me encontrei nos cachos. No começo eu achava estranho quando cacheadas vinham falar comigo, hoje, consigo me sentir parte desse grupo. E é muito vinculado a aceitação. Eu me sentia uma “falsa” cacheada por ainda estar em processo de transição. Há alguns dias, senti esse diferencial de finalmente me sentir cacheada, ter encontrado uma essência…

E, meus caros, não é uma transformação apenas exterior. Você muda radicalmente, em seu interior, também. Vai dando uma sensação de reta final, sabe? Quando você vê o tanto que falta e calcula que em poucos meses sairá desse período, dá aquela sensação de que tudo vai valendo a pena. Hoje, depois de tanto tempo, já consigo identificar produtos que não estão funcionando, o que funciona, como arrumar meu cabelo e sabe a mais nova superação de cerca de um mês? Penteados!

Gente, um parágrafo para isso porquê como eu vivia de texturização, qualquer coisa que já fizesse, ia desmanchar o cacho. Mas, com uns 70% dos cachos naturais, resolvi me libertar desse medo de mexer nele e comecei a testar penteados. Pensa em uma menina alegre: não desmanchou. E se não funcionasse, eu podia apenas soltar novamente, arrumar rapidinho e nada fora do lugar. Soa bobo, mas quando eu tentava e não funcionava, só restava prender, pois a texturização não aguentava. Mas, agora com boa parte natural, não desmancha. Foi a alegria do mês, gente!

Por isso, aguente firme que você verá o quanto vale a pena.

Beijos, Vanessa.

1 ano e 4 meses de transição

Resenha: Dos Delitos e das Penas – Cesare Beccaria

Título: Dos Delitos e das Penas

Autoria: Cesare Beccaria

Editora: Edipro

Número de páginas: 127

Tradução: Paulo M. Olivreira

Prefácio: Evaristo de Moraes

Ano: 2015

ISBN: 978-85-7283-925-9

Sinopse:

Desde a sua primeira edição, em 1764, ‘Dos Delitos e das Penas’ provocou (e continua provocando) as mais intensas polêmicas, devido principalmente ao seu embasamento francamente humanista. Os temas aqui discutidos – pena de morte, acusações secretas, prisão, torturas, roubo, contrabando, entre outros – continuam despertando o interesse de profissionais, pesquisadores e estudiosos, tornando esta obra, hoje clássica, uma permanente e profícua fonte de inspiração e reflexão para todos os que se preocupam com os Direitos Humanos.
A presente obra constitui-se num tratado que impulsionou grandes modificações no direito penal internacional e também nas Constituições brasileiras, cuja influência encontra-se presente nos princípios da anterioridade, da legalidade, da responsabilidade pessoal, da irretroatividade da lei penal, da presunção de inocência, da proporcionalidade da pena, entre outros. A intensa comoção instaurada a partir da sua publicação permanece viva a inspirar reflexões e o constante repensar de todos aqueles que se ocupam da solidificação do respeito aos Direitos humanos.

Classificação: 5/5

Cá estou eu imersa à leitura de um clássico mundial. Assumo ser inclusa ao grupo que não costuma muito incluir grandes títulos, de marco histórico e muito falados, na leitura. E, esclareço, que em sua maior parte, era pelo medo da então falada escrita rebuscava e das reclamações de serem extremamente cansativos e exaustivos. Bem, como dizem: só vendo para crer, eu diria, só lendo para falar. E, antes de qualquer coisa, fim de tabus e esses “pé atrás” literários. Quebrei a cara? Claro!

Um livro extremamente citado nessa imersão jurídica ao qual tenho estado, sendo referência bibliográfica em diversos trabalhos e usado como grande exemplo, Dos Delitos e das Penas, de Cesare Beccaria, é um marco importante como inspiração para a legislação penal e forte reforma sofrida por esta.

Acredito que quem lê a obra precisa voltar seu olhar ao cenário do período, bem diferente do hoje. Como um professor disse em certa aula, não podemos querer julgar o passado, tendo os olhos da nossa realidade atual. Um período marcando por penalizações onde hoje poderíamos julgar como injustas e cruéis, vemos um filósofo com um pensamento humanístico extremamente à frente de seu período, evidenciado princípios de Direitos Humanos, envolto aos crimes e penas do período.

Ele aborda sobre os diversas temas e crimes, posicionando-se quanto aquilo que ele vê tão cruel e violento, aproximando as penalizações da ineficácia e da falta de resultados pretendidos, havendo, no período, o misto do culpado ou não, diante das atrocidades e torturas os quais os condenados eram submetidos. Ele aponta o voltar ao homem e busca de força na lei e o repensar de pontos os quais ele considera injustificáveis para atos do Estado em controle social.

Há uma busca por um sistema penal mais democrático, sem distinções quanto a poderes, de quaisquer espécies, em especial ao financeiro, o qual certificava maiores liberdades. Há um ar de “justiça” para todos, de forma a lei ser aplicável de forma correta e distante das manipulações passíveis, consequentemente, não deixando tudo aos critérios dos magistrados, que em suas vontades, trariam distinções significativas entre penas similares mas que cada qual julgaria segundo seus desejos e vontades.

Um ponto o qual também evidenciaria é ao vínculo religioso extremo e ao poderio dos imperadores e daqueles do governo quanto ao povo, “mandando e desmandando” conforme lhes fossem conveniente.

Citaria, também, quando ao emprego de torturas para atingir às confissões. O autor relata bem, diante ao seu tempo e a naturalidade a qual isso era visto por boa parte da população, quando as distorções proporcionadas por busca da verdade com o uso da dor. Assim faria um julgamento por quem é mais forte ou não, distante de se é ou não culpado.

Como dito, como um clássico, não é uma linguagem das mais simples. Mas não havia expectativas de que fosse o contrário, certo? Como eu mencionei acima, não é nada que torne a leitura uma exaustão e um quase “martírio” para se concluir, como muitos pensam (e eu acreditava!).

E bem, não, não acredito que seja um livro apenas para aqueles que tenham alguma ligação com Direito ou similar. Todos nós estamos imergidos na temática o qual ele insere, e é uma ótima dica de obra para se ler e vivenciar as diferenças do hoje ao passado, as evoluções e se possibilitar à reflexões sobre a nossa realidade.

Sobre o autor:Imagem relacionada

O maior propulsor do humanitarismo no ambiente criminal, Beccaria discute sobre uma inovadora teoria da ciência criminal e inspira ao liberalismo igualitário, reagindo contra as distinções sociais exclusivamente baseadas nos privilégios de classes. Um discurso sobre questões referentes à criação de leis balizadas pela moral social, com sua aplicação em prol da justiça social. Sua intenção é promover o bem-estar da população por meio de uma política de distribuição de pena democrata e certificada pela justiça.Portanto, para pensar em uma sociedade mais justa e igualitária, faz-se necessário conhecer este clássico da literatura criminal.

Beijos, Vanessa.

 

Resenha: Dos Delitos e das Penas – Cesare Beccaria

Lidos 2016

Fala Leitores, tudo bem com vocês?

Estamos quase no fim de 2016. E, como dito no começo do ano, eu tinha a meta de ler, pelo menos, 25 livros além daqueles os quais é exigido pela faculdade.

E adivinhem? A meta foi cumprida!!!

Deixo abaixo a lista dos livros lidos neste ano:

  1. Não se apega não – Isabela Freitas
  2. Orgulho e preconceito – Jane Austen
  3. Feliz ano velho – Marcelo Rubens Paiva
  4. A história secreta – Dona Tartt
  5. O garoto no convés – John Boyne
  6. O caso dos denunciantes invejosos – Dimitri Dimoulis
  7. O amor está no quarto ao lado – Li Mendi
  8. Paixão avassaladora – Jull Evans
  9. O velho mundo – Kátia Regina Souza
  10. O sedutor – Clécya Vidal
  11. Procura-se um Marido – Carina Rissi (Clique aqui para conferir a resenha)
  12. Filosofia para corajosos – Luiz Felipe Pondé
  13. A menina que não sabia ler – John Harding (Clique aqui para conferir a resenha)
  14. Drácula apaixonado – Karen Essex
  15. Como eu era antes de você – Jojo Moyes (Clique aqui para conferir a resenha)
  16. Cidade dos anjos caídos – Cassandra Clare (Clique aqui para conferir a resenha)
  17. Garoto encontra garoto – David Levithan (Clique aqui para conferir a resenha )
  18. A lenda de Materyalis – Saymon Cesar /9Clique aqui para conferir a resenha)
  19. Quase tudo bem – Adriana Rocha (Clique aqui para conferir a resenha)
  20. Horas decisivas – Michael J. Tougias e Casey Sherman
  21. Érica – Larissa Medeiros Barros  leal (Clique aqui para conferir a resenha)
  22. A chama da esperança – A princesa renegada – M.V.Garcia
  23. A fila – Ana Esterque
  24. Depois de você – Jojo Moyes
  25. Espelho das cores – Pedro Ivo ( Clique aqui para conferir a resenha)
  26. Eu me possuo – Stella Florence( Clique aqui para conferir a resenha )

Beijos, Vanessa.

Lidos 2016

PARCERIA: AUTOR PEDRO IVO.

Caros leitores, dia de apresentação de autor com o qual fechamos parceria, é sempre dia nostálgico, não? Pois é, mas melhor que isso, é quando nos deparamos com um autor do estilo do nosso querido novo parceiro Pedro Ivo. Cheio de simpatia e carisma, é dotado de uma impecável educação e exala, mesmo que em conversa informal, seu nato talento com as palavras (um notório conhecimento de seu uso, ressalva). Alma de escritor, como dizem alguns por aí.

 

Exibindo IMG_1310.jpg

BIOGRAFIA

Pedro Ivo, 33 anos, brasiliense, professor da SEDF, licenciado em Letras pela Universidade de Brasília (UnB), pós-graduado em “Educação em e para os Direitos Humanos no Contexto da Diversidade Cultural” pela mesma universidade e atualmente mestrando do Mestrado Interdisciplinar em Educação, Linguagem e Tecnologias, da Universidade Estadual de Goiás (UEG). O autor organiza e participa de saraus culturais junto à juventude e já teve textos finalistas e vencedores de concursos literários publicados nos livros “A Matriz da Palavra: o negro em prosa e verso” e “Amor, Paixão ou Loucura”. Seu romance de estreia é “Espelho das Cores”, lançado em 2015, e este ano lançou “Amores, Angústias e Flores: poesias escolhidas”, sob o pseudônimo Gabriel da Cruz, personagem de seu primeiro livro.

Deixando um certo suspense sobre qual das obras, venho confessar um segredinho que em breve terá uma delas chegando na casa dessa pessoa que vos diz essas palavras, e tenho que assumir que a expectativa está enorme. Pelo mínimo contato com o autor, o qual elogio imensamente pelas qualidades apresentadas, e todos os ótimos comentários acerca daqueles que o leram, digo à vocês que não vejo a hora de que o carteiro apareça ali na frente da minha casa. Para deixar que façam suas apostas, segue abaixo a sinopse das duas obras e ainda melhor: com os links para você, assim como eu, corra para adquirir o seu e se encante por essa obra, tão bem elogiada por aqueles que já o leram!

Exibindo Espelho das cores - capa.jpg
Sinopse “Espelho das Cores”: O livro traz a história de Gabriel, um adolescente comum que vai à escola, frequenta um grupo de jovens da igreja e perturba-se com a descoberta da paixão, causando um conflito inesperado entre sua sexualidade e as convicções de sua religião. Entre segredos prometidos e traições inesperadas, essa história trata sobre a descoberta da sexualidade e o conflito amoroso, religioso e familiar. Escrito em múltiplas linguagens e por diversas vozes, o romance dialoga com a atualidade em busca do entendimento do outro, da compreensão humana, que vemos cada dia menos acontecer.

Exibindo IMG_2253.JPG

SINOPSE: Amores, Angústias e flores: poesias escolhidas.

” O livro surge anos após o desenrolar dos fatos vividos no romance Espeho das Cores pela personagem Gabriel, tornando-se um compêndio de poemas que traz a vivência e o desenvolvimento de sentimentos e conflitos da adolescência à idade adulta, por meio de temas ligados à juventude, sexualidade e raça, envolvendo seus desdobramentos. Idealizações e desilusões amorosas, conflitos individuais e sociais, percepções positivas e negativas da humanidade buscam dar o sentido existencial do eu lírico, que busca seu lugar no mundo.O lançamento oficial de Amores, Angústias e Flores: poesias escolhidas foi realizado na 24a Bienal do Livro de São Paulo, no estande da Editora PerSe, com sessão de autógrafos.

Clique aqui para adquirir o seu!

Caso queira entrar em contato com o autor, deixo abaixo alguns links das mídias sociais dele.

Instagram/Twitter: @pedroivoautor
Youtube: @espelhodascores
Beijos, Vanessa.

 

PARCERIA: AUTOR PEDRO IVO.