Resenha: O olho e a Sombra (Morgan Dull Blade) – Beatriz Pacca

Ficha Técnica:

Título: Morgan Dull Blade – O olho e a Sombra
Autoria: Beatriz Pacca
Ano: 2016
Número de páginas: 328
ISBN: 978-989-51-7234-4
Genero: Ficção
Editora: Chiado

Sinopse:
“O mundo está repleto de malfeitores, ladrões e assassinos. E é por isso que a Inglaterra tem uma justiceira. Responsável por colocar vários criminosos na cadeia, procurada pela morte de muitas pessoas más. Essa é Morgan Dull Blade, baixa, ranzinza e Capitã de um exército, cujo dever é limpar as ruas da Inglaterra, acompanhada, na maior parte do tempo, por Alphonse Oak, Tenente e filho de um famoso empresário assassinado anos atrás.
No momento, Morgan está em guerra com a Kage no Ichizoku, um clã japonês, liderado por alguém bem conhecido de Morgan. Ao longo do tempo, Morgan descobre que outros países também têm seus justiceiros, e é ao lado deles que irá travar uma batalha quase definitiva, que mudará muito sua vida. Reencontrará muitas pessoas de seu passado, sem saber se pode ou não confiar nelas, enquanto seus amigos tentam descobrir o que tem por debaixo daquele tapa-olho.”

Classificação: 5/5

Eu tinha um apreço imenso pela obra antes mesmo de a ter lido. Ao ter contato com a autora, um tempo atrás, conheci uma pessoa cheia de luz, sonhos e inspiradora. Sabe aquela pessoa extremamente cativante, o qual se consegue ver a simpatia nela? Pois é, ela é essa pessoa. E nada me cativou ainda mais quando de surpresa, recebi a obra aqui em casa. É emocionante receber o carinho de autores assim, e sim, fiquei extremamente emocionada e lisonjeada. E além, grata pela surpresa, pelo presente e por ter tido contato com alguém tão iluminado.

Cá estou eu em amores por mais uma obra do gênero que tanto aprecio e leio: ficção. Somos apresentados a justiceiros, liderados pela baixinha e bem ranzinza Morgan Dull Blade, que trava uma luta imensa contra Kage no Ichizoku, um clã japonês que tem como líder uma pessoa que olha, meus caros, é surpreendente a todos. Ela conta com o apoio de muitos justiceiros, mas em especial seu tenente, Alphonse Oak, a quem ela tem um carinho especial. Cheio de aventura, surpresas e até climas de romance, a gente se joga na leitura e não consegue sair sem um apego a obra.

Eu aponto, inicialmente, como um diferencial o qual eu gostei demais, que é o fato de os capítulos não serem tão longos e a narrativa ser bem objetiva. Estamos acostumados (generalizo um costume meu) a tramas de capítulos bem longos. E a autora surpreende com capítulos mais cursos, consequentemente mais números, mas que de forma muito bem feita, consegue objetivar a narração e tornar mais curta, adequada aos capítulos, sem perder a linha de raciocínio ou a beleza da escrita.

Aliás, citado a escrita, costumo ressaltar o quão significativo é o escrever simples, mas feito com empenho e capricho. Não há um rebuscamento, linguajar extremamente culto. É acessível, simples e sem perder o charme. Acredito sempre que os livros ficcionais com essa característica traz uma proximidade maior para com o leitor.

Eu fiquei apaixonada pela Morgan e pelo Alphonse. Não há como não se encantar com os personagens, em suas particularidades e neles, juntos. Aquele tal “Eu shippo” para os dois. Ela, sempre fria, imponente, mostrando-se forte apesar de suas tantas fraquezas e ele, aquele típico cara que vê além da frieza dela, que não se importa com suas reações agressivas ou frias porque consegue atingir o lado sentimental, enxergá-lo.

A construção do enredo vem cheio de surpresas e criatividade. Ela consegue trazer elementos à trama que dão um encanto todo especial. Esse ponto fica até difícil de ser explicado sem deixar alguns spoilers, mas quem leu ou tiver a oportunidade de ler, entenderá do que estou falando. Ela constrói fatos os quais ficamos boquiabertos e extremamente ansiosos para saber como tudo desenrolará (sem contar uma galera do passado que começa a surgir).

E o mais legal nisso tudo, é que conseguimos sentir o mesmo que os personagens, em especial, que Morgan. Juro que eu ficava aflita quando surgia qualquer pessoa na trama, em especial os que voltavam do passado dela, porque eu ficava naquela de “será que é mais um traidor? Será que está falando a verdade? Será que não a está enganando?”. É de ficar mais desconfiada que a própria protagonista.

Bem, meus caros, o único ponto negativo que encontrei foram alguns erros de digitação (e é visível não serem falhas ortográficas, antecipo, é literalmente de digitação). Mas nada que atrapalhe a leitura ou tragam modificações bruscas no entendimento…

Se tiver a oportunidade: leia. É magnífico da autora à obra…

Caso você queira adquirir:

Livraria Curitiba: clique aqui

Editora Chiado: Clique aqui

Beijos, Vanessa.

Resenha: O olho e a Sombra (Morgan Dull Blade) – Beatriz Pacca

Resenha: O embaixador – Morris West

O EmbaixadorFicha técnica:

Título: O embaixador

Autor: Morris West

Ano: 1985

Número de páginas: 290

Editora: Abril Cultural

Sinopse: Aproveitando a realidade histórica – os horrores da maior tragédia das duas últimas décadas, a Guerra do Vietnam – Morris West criou um universo imaginário. Maxwell Gordon, embaixador em Saigon, abandona o serviço diplomático norte-americano em busca da paz interior. Ele sabe que serviu bem à sua pátria, mas não está em paz com sua consciência.

Classificação: 4/5

Primeiramente, essa resenha deveria ter saído na semana passada, mas por algum problema na plataforma, não saiu como deveria ter ficado e tive que excluir o post. Então, hora de repostar a resenha…

Sem conhecer a sinopse e sequer o autor, eu adquiri esse livro por estar sendo vendido em uma papelaria por apenas R$10,00. Na hora, escolhi pela capa (apesar de que sou ciente de “Quem vê capa, não vê conteúdo”). Saibam que não me arrependi…

Diferente das temáticas que costumo ler, a história mistura realidade com ficção, se passando durante a guerra do Vietnam, onde conhecemos o embaixador norte-americano Maxwell Gordon, suas escolhas e problemáticas.

Eu, particularmente, em meio a leitura, li a respeito do fato histórico o qual o autor coloca como cenário da trama e é possível identificar alguns aspectos bem reais, com diferenças, evidentemente, mas há um embase nos acontecimentos que chama a atenção.

Distante das tramas cheias de aventuras ou os romances apaixonantes os quais geralmente leio e prefiro, a trama consegue te prender pela concisão, excelência em descrição e narração e como o autor consegue transpassar e nos fazer imaginar todas as situações.

Falando especificamente sobre o protagonista, Maxwell Gordon, há um atrativo em ser posto de um modo “humano”. Vemos o embaixador, estrategista e cheio de cálculos em cada passo, mas vemos o homem cheio de sentimentos, medos e amores, que como todos, sente, sofre, ama e vive seus muitos dilemas, consigo, com a falta da esposa e com as dores das perdas que tem de aceitar em sua falta.

Uma ótima dica para quem tem um “apego” a livros que nos remetem fortemente à história, e para quem gosta de livros mais tranquilos e até com caracteres um tanto biográficos.

Beijos, Vanessa.

 

Resenha: O embaixador – Morris West

Diário de faculdade: Cansaço e desmotivação!

Fala Galera, tudo bem com vocês?

Bom, meus caros, sabemos que estudar nem sempre é um mar de rosas. Em meio aos turbilhões de complicações que surgem, vim falar especificamente de quando perdemos aquele “gás” dos estudos, quando o ânimo morre, a motivação não mais existe e o único desejo que resta é de abandonar tudo. Sim, todos nós passamos por isso.

Ano passado, perto do fim do segundo semestre, eu tive um verdadeiro desmoronamento psicológico. Simplesmente queria jogar tudo para o ar, largar a faculdade, desistir das mil e uma coisas que faço e dormir por dias seguidos, sem interrupção. Melhorei consideravelmente desse surto, porém percebi que iniciei o ano extremamente cansada, ainda, e um tanto desanimada (possivelmente resquícios do cansaço do ano passado). Eu venho em uma rotina de estresse intenso, procrastinação em quaisquer atividades e tenho ficado muito improdutiva e sem saber aproveitar meu tempo.

Sim, eu poderia jogar tudo para o ar nessa maré ruim, assim como sei que muitos tem passado pelo mesmo, e muitos outros já deve ter abandonado as coisas. Mas eu tenho optado por buscar me reanimar e não desistir…

Se você tem estado assim como eu, vou deixar algumas dicas do que tenho feito para tentar tirar todo esse desanimo da minha vida.

1. Foque no seu objetivo

Nada é atoa. Sempre há um porquê. E esse é o ponto chave onde você deve mirar. Tenha sempre em mente tudo aquilo que você objetiva e principalmente que esse é o caminho para atingir seus desejos.

2. Organize-se

Eu, quando começo desanimar, viro uma perfeita bagunça. “Empurro tudo com a barriga”, enrolo em tudo e acabo não fazendo nada. Faça listas diárias de atividades. Eu, particularmente, escrevo duas listas: uma de atividades obrigatórias de serem concluídas naquele dia e outra de atividades secundárias, que se não feitas, podem ser colocadas para conclusão em outro dia. A dica é se organizar e se impor a cumprir aquilo que programou.

3. Não exija demais de si.

Gente, um dos maiores problemas que me cansaram demais foi querer fazer mil coisas de uma vez só. Eu queria fazer muita coisa e acabava não fazendo nada e ainda mais: estressada. Não se imponha demais e nem queira fazer muitas coisas. Abandone algumas atividades que forem necessárias e possíveis.

4. Descanse

Você não é uma máquina. Separe tempo para o lazer ou simplesmente para dormir, ou ficar vendo um filme. Dê descanso a si, por favor! Você não é de ferro!

5. Você é capaz

Por fim, jamais desacredite de si e dos seus sonhos. Vá em frente, do jeito que der. E confie em si, que o mundo todo será seu!

Beijos, Vanessa.

Diário de faculdade: Cansaço e desmotivação!

Primeiras impressões: Encontros e Desencantos – Nathália Batista da Silva

Ficha técnica:

Título: Encontros e desencantos

Autor: Nathália Batista da Silva

ISBN: 978-989-51-6341-0

Ano: 2015

Número de páginas: 256

Editora: Chiado

Sinopse:

A Inglaterra, do início do século XIX, é palco de um romance repleto de paixão, dor, encontros, encantos, desencontros e desencantos. O romance é composto por pessoas e com elas, tudo o que há de pior e de melhor no ser humano. São sentimentos explorados em uma cadência lenta nas fases mais difíceis da vida de uma mulher. Suzanne é uma doce e ingênua moça de dezessete anos, cercada e castigada pela maldosa Veronika, de quem era dama de companhia. A vida tem seu próprio jeito de ensinar aos ingênuos e proporciona um longo e árduo caminho a menina em meio a uma sociedade onde respeito e posição não raramente eram construídos com crueldade, inveja, mentiras, intrigas e vingança.

Bom, meus caros leitores, gentilmente a autora Nathália Batista nos cedeu os três primeiros capítulos de sua obra, Encontros e Desencantos, para que viéssemos dar nosso parecer sobre esse breve contato.

Sabemos da velha questão de que “Quem vê capa, não vê conteúdo” mas não posso deixar de ressalvar que fiquei encantadíssima quando vi como era a capa. Recebi, recentemente, os marcadores e tive um amor a primeira vista. Gente, uma graciosidade a parte, não?!

Adentrando ao conteúdo, nós conhecemos a história da jovem órfã Suzanne, que é dama de companhia da invejosa e cruel Veronika. Deixada aos cuidados da baronesa Sra. Hampton, em pedido de sua mãe em leito de morte, ela recebe uma educação e cuidados diferentes de outros criados, tornando-se uma dama de jeitos e beleza admiráveis. Obviamente, gerando a inveja e ira da herdeira dos Hampton, que de grandes destaque tem apenas a fortuna.

Claramente, que um grande amor  vai lhe surgir. Não podendo eu alegar,  diante que as páginas iniciais vinham até o momento em que ambos se conheceram, posso apostar aqui que vai ser um romance e tanto, cheio de dificuldades e lições.

Com características de romances de época, a autora escreve de uma forma o qual lemos levemente, se encantando pela protagonista e criando um mundo encantado para esta. Juro a vocês que leio imaginando como um conto de fadas, diante que a autora consegue transpassar, perfeitamente, esse clima romântico e “fofo” de obras com tais características.

Tenho que dizer que fiquei curiosa para saber o desfecho dessa história e o que poderá acontecer cm a protagonista da trama, a Suzanne. É apaixonada por romances, assim como eu? Acho que é uma boa dica, ein! Só nos três primeiros capítulos, já fiquei encantada com os personagens.

Caso queira adquirir a obra, segue abaixo os links para a compra:

Livraria Travessa: clique aqui

Livraria Cultura: clique aqui

Livraria Easybooks: clique aqui

Livraria Chiado: clique aqui

Beijos, Vanessa.

Primeiras impressões: Encontros e Desencantos – Nathália Batista da Silva

Projeto Além das páginas: Nádia Nóbrega.

Fala Galera, tudo bem com vocês?

Hoje trazemos mais um post do nosso projeto Além das páginas (Caso você não conheça, clique aqui para conferir como funciona). E, estamos vindo com uma autora apaixonante: Nádia Nóbrega. Com seu livro, O castelo mágico da Princesa Melinda, publicado pela editora Chiado, a autora portuguesa conquistou o público brasileiro.

Quem é Nádia Nóbrega? Além da escritora e Youtuber? Uma pessoa, como qualquer outra, em questão de ser dotada de defeitos e qualidades, mas diferenciando-se de muitos pelo seu reconhecimento quanto a eles.Apesar das características ressaltantes e positivas de sua personalidade (e a imensa simpatia e alegria que transmite) a autora não deixa de expor seus defeitos, a realidade de sua personalidade, e o mais bonito: sua capacidade de buscar ser cada vez melhor, contendo-se e limitando-se, buscando “suavizar” as características negativas que apresenta. Quer mais? Escreve pelo belo desejo de ajudar alguém…

Olá, sou a Nádia Nóbrega, sou escritora e estudante de ciências da educação na universidade da Madeira; sou da Madeira. Tenho 19, quase 20 anos e adoro de paixão tudo o que envolva literatura; adoro música, sou descrita como sendo simpática, responsável, amiga e talentosa, humilde e sensível no que toda a temas que são muito criticados, também por influência do meu estudo. Sou muito nervosa, teimosa e rabugenta mas consigo conter os meus limites! Sou perfeccionista e adoro ir à busca de coisas novas! O meu objectivo como escritora é tentar ajudar alguém. Tenho um canal de YouTube AMariadosLivros.

E como surge o amor pela escrita? Como muitos autores, influências contabilizam muito para fortalecer esse anseio e paixão do qual muitos alegam o ter desde sempre, o que não é diferente com a autora que apresentamos hoje. Amante da leitura e escrita desde pequena, foi influenciada por pessoas ao seu redor, em especial a mãe!

Sempre desde pequenina que adoro ler e escrever; A minha maior influência foi e é a minha mãe e como fui muito incentivada por família, professores e amigos, o secundário foi a época em que comecei a aperfeiçoar o meu talento e desde aí não parei.

E a trajetória para se conseguir realizar o sonho de publicação nunca é fácil. Mas, como expresso pela autora, é preciso confiar em si e no seu sonho. Humildemente, ela ressalta sobre ver-se ainda pouco experiente no ramo, com muito a aprender mas deixando claro o quão necessário foi ter ao lado pessoas que a ajudasse e principalmente: confiar em si.

Não tenho muita experiência, tendo em conta que só tenho um livro no mercado e ainda tenho muito que aprender neste ramo; Sempre tive muita ajuda porque é preciso rever o que escrevemos, entre outras coisas e claro ver qual a editora mais indicada para o autor! Não foi fácil e ainda por mais que viver só dá profissão de escritora não dá para a vida mas é ir tentando até ser valorizado (a) e nunca desistir,  mesmo que levemos muitos não, mas claro é preciso ter noção que  somos bons no que fazemos e arriscar!
Para mim ver o meu sonho realizado foi uma alegria enorme porque 1 nunca pensei, 2 alguém acreditou em mim e 3 o que mais à o está à vista de todos, para quem quer!
Por fim, o que ela acha sobre a literatura? A busca por maior valorização é a peça chave. As críticas caem demais enquanto pouco se faz… E ainda, deixa uma dica quanto maior incentivo àqueles autores iniciantes e sem ainda reconhecimento e carreira estruturada. Um sonho, particularmente, se conseguíssemos apoios similares, não?
Na minha opinião, a Literatura deveria ser mais valorizada e menos criticada e acho que os minis escritores deveriam arriscar mais e existir uma maior aposta das editoras e formações grátis, porque como sabemos o dinheiro pesa muito e nem todos podemos!
Bem, se você ficou interessado, segue abaixo a sinopse do livro dela e suas mídias sociais:
O reino mágico da princesa Melinda vive dias muito agitados.  A  princesa está a chegar ao final do seu reinado e, por isso, precisa de  encontrar, urgentemente, uma nova sucessora. Porém, a futura princesa, que tem, tal como Melinda, um dom único, anda desaparecida, o tempo está a esgotar-se e a sobrevivência dos seres misteriosos que vivem no castelo, longe dos olhares do mundo, está em risco. Conseguirá Melinda salvá-los?
Beijos, Vanessa!
Projeto Além das páginas: Nádia Nóbrega.

Helena de Troia

Com reputação de A mulher mais bela do mundo, segundo a mitologia, esta seria a peça chave para o desencadeio da tão afamada guerra de Troia.

Imagem relacionada
Fonte: Produto mercado livre

Consta-se que esta seria filha de Zeus e de uma mortal, Leda, que seria casada com o rei de Esparta, Tíndaro.

A história conta que ainda pequena fora raptada por Teseu, em que posterior foi libertada e levada de volta à Esparta, para junto de sua família. Sua significante beleza era-lhe um charme e atrativo especial, como já colocado, sendo intitulada como a mulher mais bela do mundo. Esse atributo conferia-lhe um número grande de pretendentes, o qual Tíndaro temia conceder-lhe a mão para possibilidade de fúria de algum…

É aí, então, que um de seus pretendentes, Odisseu, sugestiona que todos os pretendentes jurassem protege-la, e a permitissem o poder de escolha do marido, protegendo-o também. Helena optou por casar com Menelau, que tornou-se, depois, rei de Esparta.

Seu vínculo com a guerra de Troia viria quando Páris, em viagem para Esparta, conhece a jovem e bela esposa do rei Menelau. Quando este viaja, abre-se então a aproveitada oportunidade de raptá-la e ambos irem para Troia. A mitologia conta que a guerra teria sido motivada pelo desejo do traído marido de Helena, que decide-se então vingar-se, dando início à guerra (o que também teria uma motivação política). A guerra durou 10 anos.

Beijos, Vanessa.

Helena de Troia

Resenha: Uma breve história do tempo – Stephen Hawking

Resultado de imagem para uma breve história do tempoTítulo: Uma breve história do tempo

Autoria: Stephen Hawking

Editora: Intrínseca

Ano: 2014

Número de páginas:  256

Sinopse: Marco definitivo da literatura de divulgação científica, “Uma breve história do tempo” é relançado em edição revista e atualizada.

Uma das mentes mais geniais do mundo moderno, Stephen Hawking guia o leitor na busca por respostas a algumas das maiores dúvidas da humanidade: Qual a origem do universo? Ele é infinito? E o tempo? Sempre existiu, ou houve um começo e haverá um fim? Existem outras dimensões além das três espaciais? E o que vai acontecer quando tudo terminar?

Com ilustrações criativas e texto lúcido e bem-humorado, Hawking desvenda desde os mistérios da física de partículas até a dinâmica que movimenta centenas de milhões de galáxias por todo o universo. Para o iniciado, Uma breve história do tempo é uma bela representação de conceitos complexos; para o leigo, é um vislumbre dos segredos mais profundos da criação

Classificação: 5/5
Cá estamos nós resenhando um livro de uma mente genial, como a de Stephen Hawking, de um assunto que para mim, mera leiga, tende a ser complexo e iniciando dizendo que fui contrariada nas expectativas de grandes dificuldades.
Não, não venho dizer que tive uma compreensão total de todos os assuntos, pois seria uma tremenda inverdade, mas a obra traz uma linguagem e explicações acessíveis, de forma a ser uma leitura bem mais tranquila do que se pode ser esperado.
Eu costumo ver um certo encanto quanto abordagens como “De onde veio tudo isso?” e quanto ao tudo que nos rodeia, das descobertas e conhecimentos científicos, então a obra me veio como um “prato” gigantesco, o qual tive o prazer de “saborear”.
Como dito, composto de linguagem acessível, ilustrações e um glossário no final, é um trabalho louvável em especial para aqueles que amam tais assuntos, como eu, mas que não detém de conhecimentos profundos sobre as temáticas…
Se você também gosta, fica uma dica de leitura!
Beijos, Vanessa.
Resenha: Uma breve história do tempo – Stephen Hawking