Esqueci de avisar a minha mãe.

Olá pessoal que acompanha o blog “Quase em crise?”, ou que por acaso, tenha se perdido por aqui. Vamos do início, eu me chamo Luiz Fernando Roecker, e esse é o meu segundo post aqui. O título pode soar estranho, mas prometo que vou explicar. Pois bem, eu sou acadêmico do curso de Letras, da Universidade Federal da Grande Dourados, que se localiza na cidade de Dourados – Mato Grosso do Sul. A estrutura curricular do meu curso possui uma matéria chamada Escrita e Ensino. Eu me matriculei para fazer essa matéria no 2º semestre de 2017. E agora, gostaria de compartilhar com vocês um texto que eu escrevi. Vamos lá?

Esqueci de avisar a minha mãe.

Acordei com o barulho de uma música alta vindo do celular. De súbito, imaginei que fosse o despertador. Mas era uma das muitas ligações que e Continuar lendo “Esqueci de avisar a minha mãe.”

Anúncios
Esqueci de avisar a minha mãe.

A hora da Estrela – Clarice Lispector.

imagesFicha Técnica:

Editora: Rocco

Páginas: 87

Ano de Lançamento: 1977

 

 

 

 

É o penúltimo livro escrito pela ilustre Clarice Lispector, ainda em fragmentos de papel onde a autora obteve ajuda de sua secretária Olga Borelli por conta da suas limitações, lançado especificamente no dia 26 de outubro de 1977. Diria que é um livro curto de apenas 87 páginas, porém muito rico em reflexões, é narrado sob a perspectiva de Rodrigo S. M., que de início percebemos que não se trata apenas da personagem principal, mas também dos impasses da vida do narrador. Deixa transparecer em alguns momentos a verdadeira Clarice, que pouco tempo antes de morrer, passeava por devaneios sobre a morte e a vida, antítese perfeita para se abordar em um romance.

Conta a história da alagoana Macabéa que se muda para o Rio de Janeiro em busca de uma vida melhor, ela vive sem existir, não se dá conta das coisas a sua volta, não possui anseios, garanto ao leitor que este irá experimentar de inúmeras sensações durante a leitura, tanto boas quanto ruins. É o primeiro livro que Clarice (sob a perspectiva do narrador Rodrigo) usa de regionalismo e faz críticas as classes sociais. É perceptível vários momentos de epifania, em que o personagem descobre algo inovador e se dá conta de algo que faz sua vida mudar.

Perto de completar 40 anos da data de publicação, a narrativa é atual e passível de segundas e terceiras leituras, nos faz refletir sobre o que é estar vivo, percebendo o mundo a nossa volta e como uma vida miserável pode nos incomodar.

  • Alguns trechos interresantes:

“Enquanto eu tiver perguntas e não houver resposta continuarei a escrever.Como começar pelo início, se as coisas acontecem antes de acontecer? “ (Pág.11)

“Tudo no mundo começou com um sim. Uma molécula disse sim a outra molécula e nasceu a vida. Mas antes da pré-história havia a pré-história da pré-história.” (Pág. 11)

“Quem já não se perguntou: sou um monstro ou isto é ser uma pessoa?” (Pág. 15)

Este é meu primeiro post e espero que tenham gostado, até a próxima,

Roecker.

A hora da Estrela – Clarice Lispector.