Resenha: Garoto encontra garoto – David Levithan

 

Ficha técnica:

Título: Garoto encontra garoto

Autor: David Levithan

Ano: 2014

Idioma: Português

Número de páginas: 240

ISBN: 9788501047779

Editora: Galera Record

 

Paul estuda em uma escola nada convencional. Líderes de torcida andam de moto, a rainha do baile é uma quarterback drag-queen, e a aliança entre gays e héteros ajudou os garotos héteros a aprenderem a dançar. Paul conhece Noah, o cara dos seus sonhos, mas estraga tudo de forma espetacular. E agora precisa vencer alguns desafios antes de reconquistá-lo: ajudar seu melhor amigo a lidar com os pais ultrarreligiosos que desaprovam sua orientação sexual, lidar com o fato de a sua melhor amiga estar namorando o maior babaca da escola e, enfim, acreditar no amor o bastante para recuperar Noah.

 Classificação: 4/5

O livro foi muito falado. “Badalação” pelos leitores anteriores não faltaram. E sempre comentários tão bons que quando vi a temática da última semana da MLI (Maratona literária de Inverno), que era Diversidade, não pude evitar a escolha…

O protagonista e narrador da história é o jovem Paul, que desde pequeno sabia que era “diferente” dos outros meninos: ele gosta de outros meninos. Como todo jovem, tem a vida sempre com aquele ar  de infinitude, apesar dos pesares. Vivendo em uma cidade pequena, onde a diversidade é bem aceita, a opção sexual não é fator chave em sua vida. Cercado de amigos, dilemas e o amor com “o cara dos sonhos”, imergimos na vida desse apaixonante personagem.

O livro tem aquele “quê” juvenil que há algum tempo não lia. Remeteu-me muito à lembrança das sensações à leitura de As vantagens de ser invisível, de Stephen Chbosky. Foi os mesmos sentimentos de infinitude da juventude, da época dos sentimentos sinceros, em que nos lançamos a vida sem grandes medos. Que se convive com centenas de dilemas, problemas e situações. Esse jeitinho “jovial” na escrita foi um dos aspectos que mais me encantaram. O leitor é colocado na vida de jovens e seus muitos dilemas, como costuma ser livros do gênero. As descobertas, os problemas, as brigas, os relacionamentos e tudo envolto. Já sente-se que é um livro e tanto, não? Pelo menos, faz um gênero o qual eu gosto de ler.

Screenshot_2016-07-30-00-11-56.png

Paul é o protagonista perfeito. Sem “mimimi”, ele consegue fazer com que você se apaixone por ele. É tipicamente de uma família “legal”, e o tipo de amigo que todo mundo quer ter. Calmo, sensato e uma “graça”, eu, pelo menos, terminei as páginas totalmente rendida aos encantos dele. Como não sentir com suas expressas demonstrações de tristeza ao afastamento da amiga, Joni, envolvida com o pior cara do colégio? Ou os problemas de seu amigo com os pais extremamente preconceitos e religiosos? Como não se encantar com o quanto ele se doa pelos amigos e pelo cara que gosta?!

Os personagens secundários e as relações destes com Paul são muito bem desenvolvidas. E ter a visão central de Paul, de como se vê na situação, é a parte especial. Mas nada traduz ao êxtase do conto nas páginas finais, narradas pela rainha do baile, a Infinite Darlene. A personagem é muito divertida e irreverente. E ao se pôr em sua visão, acaba-se deparando com o íntimo dela, que ao meu ver, não é tão “pra cima” e extrovertido quanto aparenta. Afinal, quem é?

Screenshot_2016-07-27-18-17-50.png

Mas, não distante e não esquecível pode ficar o ponto central do coração do Paul: Noah! Gente, que cara é esse? Não há porque não entender os motivos que levaram-no a se apaixonar por ele. Noah é diferente do convencional, tipicamente o fora do comum apaixonável. E apesar de todos os pesares, de todos os problemas que eles enfrentaram, Noah e Paul juntos era tudo o que eu esperava…

Por fim,sobre ser pautado aspectos sobre opção sexual, é considerável que a cidade “livre” de preconceito acaba saindo um tanto utópica quanto ao nosso real. Infelizmente, na realidade funciona bem diferente e as pessoas são bem mais ignorantes. Acredito que a presença dos pais religiosos e preconceitos retrata perfeitamente o quanto as pessoas podem ter visões “estúpidas”. Eu, particularmente, gostaria que houvesse um lugar assim como descrito, onde não saíssem por aí apontando erros e dando liberdade para se ser o que bem entender e escolher o que quiser. Infelizmente, rotulações, moldes e padrões enquadram as pessoas…

Beijos, Vanessa!

Anúncios
Resenha: Garoto encontra garoto – David Levithan

4 comentários sobre “Resenha: Garoto encontra garoto – David Levithan

  1. Achei a recensão fantástica. Como você mesmo apontou, é algo diferente para nossa realidade esse tema que tanto designa vários levantamentos. Portanto, considerei a concluir que esse livro é ridente e cortês. É uma ótima abordagem. Perante sua descrição, já gostei da procedência como o Paul lida com sua vida. Gostei da recomendação Vanessa.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Com certeza. O autor desenvolve a história de uma forma brilhante, em uma busca pela realidade, mas ao mesmo tempo com um lugar quase ficcional quando apontamos a esse lado livre do preconceito. Um lado ficcional que eu, particularmente, tanto desejaria existir.

      Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s